A casa dos espíritos

La casa de los espíritus, edição Editorial Sudamericana, 2007.

La casa de los espíritus, edição Editorial Sudamericana, 2007.

Confesso: nunca tinha me interessado em ler o romance de Isabel Allende  por causa do título da obra. Culpa do meu ceticismo bissexto. Mas tudo na vida tem solução. Allende deu uma entrevista para o meu programa de rádio favorito, o Democracy Now, sobre seu último livro, “A soma dos dias”. Bom, foi amor à primeira vista

No começo deste mês tirei uma semana de férias e fui a Buenos Aires. Encantado com tantas livrarias, comprei meu exemplar de “La casa de los espíritus”. Livro gostoso, daqueles que a gente quer ler de um fôlego só. A história narra, principalmente a partir da perspectiva das mulheres, a trajetória de uma poderosa família de um país latinoamericano ao longo do século XX. Embora, implicitamente, fique claro que os eventos transcorrem no Chile, qualquer latinoamericano pode se identificar, dada as semelhanças históricas que nos aproximam. E o toque de surrealismo que dá nome à obra é mais um ponto de identificação da comunidade latinoamericana. Mostra que temos um quê que nos diferencia dos europeus que vivem às voltas com os embates entre igrejas medievais e opressoras e setores anticlericais.

Não bastasse tudo isso, a obra é profundamente feminista – de uma forma tão sutil que os mais desavisados não perceberão – e portadora dos ideais da esquerda mais humana. Tanto mais chocante se levarmos em conta o machismo da sociedade chilena, onde o divórcio só foi legalizado em 2004.

Isabel Allende

Isabel Allende. Foto por Mutari.

E pensar que o livro é resultado de uma carta de Isabel Allende ao seu avô, que aos 99 anos estava à beira da morte. Definitivamente, esta é uma leitura que recomendado a a todos!

Por último, deixo a dica de uma ótima resenha que encontrei na rede (atenção, revela vários detalhes da obra).

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *