Um negro na Alemanha nazista

Hans J. Massaquoi na sua infância. Fonte: arquivo pessoal do autor.

Hans J. Massaquoi na sua infância. Fonte: arquivo pessoal do autor.

Por Allan Patrick

Uma matéria muito interessante no El País deste domingo (26/04/2009): El Negro que sobrevivió a los nazis. É a resenha de um livro, a autobiografia escrita por Hans J. Massaquoi,  mulato, filho de um diplomata liberiano e uma enfermeira alemã, que viveu sua infância e adolescência durante a ascensão do nazismo na Alemanha e o transcorrer da Segunda Guerra Mundial. A matéria narra também o trágico destino da maior comunidade afrodescendente da Alemanha na época: os “bastardos da Renânia“, filhos de militares franceses oriundos de suas então colônias africanas e mulheres alemãs da região da Renânia, ocupada pela França ao final da Primeira Guerra Mundial. Uma história da qual raramente se ouve falar e que revela diversos aspectos da vida cotidiana sob o regime nazista.

Eis o início da matéria do El País:

El Negro que sobrevivió a los nazis

IÑIGO LÓPEZ PALACIOS 26/04/2009

Hans J. Massaquoi nació en Hamburgo de madre alemana y padre liberiano. Tenía seis años cuando Hitler llegó al poder. De niño se quedó fascinado con la parafernalia nazi. Incluso quiso entrar en las juventudes hitlerianas. Se salvó por casualidad. Cuenta su extraña historia.

“¿Yo no soy ario?”. Hans tenía ocho años cuando lanzó esta pregunta a su madre. Así lo narra en su biografía Testigo de raza. Un negro en la Alemania nazi. La historia de un mulato nacido en Hamburgo en 1926 y que vivió en esa ciudad el ascenso y la caída del nazismo. “Sobreviví gracias a un resquicio en las leyes raciales. No éramos suficientes en mi ciudad para que los nazis se fijaran en mí, al revés de lo que les pasó a los llamados bastardos de Rhineland”, dice Massaquoi desde su jubilación en Estados Unidos.

Continua …

Minha tradução:

O Negro que sobreviveu aos nazistas

IÑIGO LÓPEZ PALACIOS 26/04/2009

Hans J. Massaquoi nasceu em Hamburgo de mãe alemã e pai liberiano. Tinha seis anos quando Hitler chegou ao poder. Na infância ficou fascinado com o fuzuê nazista. Teve vontade de ingressar nas juventudes hitleristas. Deu sorte e dessa ele se salvou. Conta agora sua estranha história.

“Eu não sou ariano?”. Hans tinha oito anos quando fez essa pergunta a sua mãe. Assim ele narra em sua biografia. Testemunha da raça. Um negro na Alemanha nazista. A história de um mulato nascido em Hamburgo em 1926 e que viveu a ascenção e queda do nazismo. “Sobrevivi graças a um descuido das leis raciais. Não eramos em número suficiente em nossa cidade para que os nazistas se lembrassem de mim, ao contrário do que ocorreu com os bastardos da Renânia”, diz Massaquoi, aposentado e vivendo nos Estados Unidos.

Textos relacionados:

Racismo e política de cotas.

8 thoughts on “Um negro na Alemanha nazista

  1. Patrick,

    Bacana isso. Desconhecia essa estória… Por falar em Alemanha Nazista.. você já ouviu falar em um filme chamado A Lista de Mendes. Se bem me recordo, trata de um diplomata português que viveu na Alemanha, quando da ascensão do Nazismo, e dizem que ele salvou a vida de muitos judeus, concedendo-lhe visto para Portugal.. como fez também o Guimarães Rosa.

  2. salut
    que interesante sua materia sobre esse senhor, olha e maravilhoso poder ler coisas reais boas e sobre a vitoria de pessoas que venceram as diversidades , parabens adorei. outro dia lhe contarei algo muito legal preciso escaniar algumas fotos e fotografar alguns materiais entao lhe enviarei ok aurevoir

  3. Eu não aceito o que os alemães fizeram a humanidade, embora seja eu descendente de austríacos, tchecos e húngaros, não compartilho disso mesmo, eu acho que superioridade de raça, não tem a ver com o tipo físico e sim com as atitudes, as oportunidades, o respeito, isso sim gera uma raça superior!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *